A CENTELHA propõe-se ao auxílio espiritual permanente, possibilitando a realização de atendimentos e consultas espirituais com Guias incorporados em médiuns capacitados. 

      As consultas realizadas pela CENTELHA acontecem nas dependências do templo, em dia e horário NÃO coincidentes com a realização das sessões e giras, e são realizadas por Caboclos, Pretos-Velhos, Exus, Ciganos, Marinheiros e Baianos, sempre de acordo com o planejado na programação anual.

      Todas as consultas são acompanhadas por cambonos, que auxiliam no entendimento e, muitas vezes, servem de intérprete à comunicação do Guia. Em algumas ocasiões, esse mesmo cambono também tem a função de registrar os pontos principais da consulta. 

 

       Para que nosso trabalho espiritual proceda da melhor forma, é necessário que algumas observações sejam conhecidas:

1) A CENTELHA não se responsabiliza pela organização da fila ao lado de fora do templo. Eventuais problemas deverão ser resolvidos pelos próprios integrantes da fila.

 

2) O portão é aberto às 20h00. A partir do momento da abertura do portão, as fichas numeradas começarão a ser distribuídas. Não é permitido guardar número para ninguém e nem se ausentar da casa antes da consulta, ou perderá a sua vez.

3) O horário máximo permitido para entrada de consulentes é 20h30.

4) Por ordem de chegada, todos receberão um código de letra ou número, identificando se será atendido em consulta ou em passe. Esse código identifica também a ordem de atendimento que, preferencialmente, será seguida.

5) As pessoas que apenas receberão passe serão encaminhadas para um Guia indicado pela entidade comandante do trabalho do dia, sem preferência de escolha.

 

6) Seguindo ordem de chegada, um cambono apresentará aos quem irão se consultar, os nomes dos médiuns e entidades que trabalharão na casa na noite do atendimento.

7) Cada um dos consulentes deverá, então, indicar a sua primeira e segunda opção para que, caso seja possível, seja atendido.

8) O cambono também irá perguntar aos consulentes o motivo principal da consulta, e você deverá dizer, de forma bem resumida do que se trata. Por exemplo: saúde, problemas familiares, dificuldades financeiras, e outros.

9) Após essa pequena entrevista, o cambono levará ao Guia-Chefe da casa as suas preferências e a descrição do motivo principal da consulta, e ele, o Guia-Chefe, decidirá para qual entidade você será encaminhado. Caso você tenha alguma objeção quanto ao indicado, comunique ao cambono, e ele comunicará ao Guia-Chefe, que poderá atendê-lo ou não, de acordo com seu próprio parecer.

10) Você será encaminhado ao atendimento quando a entidade com quem irá conversar estiver disponível, após o término do atendimento anterior, e seguindo a ordem numerada.

11) Se for a primeira vez que você vem à nossa casa para se consultar, informe ao cambono, para que ele providencie o seu cadastramento.

12) Cada consulta poderá ter, em média, o máximo de uma hora de duração. Ao se aproximar do horário máximo previsto, o cambono avisará a entidade. Será o momento de você se preocupar em perguntar o que ainda resta de mais importante.

13) Consulentes menores de 18 anos só serão atendidos com a presença do seu responsável ou com sua autorização.

14) Durante todo o trabalho, o portão permanecerá trancado. Ao término da sua consulta, um cambono o acompanhará até a saída. Caso deseje esperar por alguém que esteja se consultando, informe ao cambono quando terminar o seu atendimento. Fora dessa ocasião, o portão só será aberto em casos excepcionais, e com a autorização do Guia-Chefe.

15) Durante todo o trabalho, os cambonos serão os representantes da direção da casa. Qualquer dúvida deverá ser levada a eles, bem como as orientações que eles derem deverão ser atendidas por todos.

16) Ao entrar para o atendimento, não se esqueça de entregar ao cambono a sua ficha numerada.

17) Durante o atendimento, mantenha o celular desligado.

 

18) Se for a primeira vez que você vem à nossa casa, e ainda não conhece as regras para atendimento, o que vamos falar agora será ainda tolerado, mas aos que já conhecem, não será permitido o ingresso no templo com:

     1 - Roupas decotadas, minissaias e shortes curtos;

     2 - Cheiro de bebida ou sinais de embriaguês.

 

19) Portando um desses itens, você será convidado a se retirar.

20) Você poderá entrar acompanhado. Informe ao cambono, caso essa seja a sua vontade.

21) Caso você entre acompanhado, o seu acompanhante só poderá se consultar se também tiver pego a ficha numerada, e se estiver programado para ser atendido pela mesma entidade, na sequência à sua consulta.

22) É proibido oferecer qualquer presente (velas, fumo, bebidas, etc) a qualquer Guia como forma de agradecimento pelos atendimentos. Caso deseje colaborar com as despesas do terreiro, favor utilizar a caixa própria para doações ou procurar a secretaria e se informar sobre como se tornar Sócio-Colaborador.

23) Se você não receber o folheto “Bem Vindo ao Templo Umbandista”, solicite-o ao cambono. Ele terá prazer em lhe entregar um exemplar.

24) Caso você não tenha vindo se consultar, mas SOMENTE para acender alguma vela no altar, comunique ao cambono, para ser devidamente encaminhado.

25) Nossa casa, como Templo Religioso e local de orações, requer de todos um comportamento condizente com os trabalhos espirituais, sem excesso de conversa, barulhos ou ações de caráter duvidoso ou que possam prejudicar a egrégora espiritual do ambiente.

         
      TODAS AS CONSULTAS E TRABALHOS REALIZADOS NA CENTELHA DIVINA SÃO GRATUITOS!

       O comportamento dentro do templo, seja por parte dos médiuns, consulentes ou assistentes, deve ser condizente com a proposta espiritual da CENTELHA, ou seja, pode-se cantar, bater palma, vibrar... Mas não é permitido o uso de roupas indecentes, conversas em voz alta, desrespeito ao ambiente, fumo dentro do salão, etc. Tudo isso para mantermos a egrégora da casa dentro dos padrões desejáveis pela cúpula espiritual e propícios às boas transmissões fluídicas.

   SESSÕES DE ATENDIMENTO PÚBLICO 

A CENTELHA DIVINA, por ser uma Missão Umbandista e por ter como referência a prática da caridade, do amor e do respeito ao próximo, seguindo as sagradas Leis de Umbanda, não exerce cobrança financeira de qualquer tipo, por qualquer atendimento ou trabalho realizado, bem com não realiza o sacrifício de qualquer animal, nem utiliza qualquer coisa de origem animal em seus rituais.