• TATA LUIS

PEQUENOS TOQUES CONSCIENCIAIS SOBRE ANIMISMO


Este texto tem por finalidade dar algumas dicas para quem está começando a trabalhar extensivamente com os seus Guias Espirituais e ainda não aprendeu a identificar os limites entre o que é da sua cabeça e o que é da vontade do Guia. Essa questão é muito comum, mesmo porque todos (ou a maioria de nós) somos médiuns conscientes ou semi-conscientes e, em determinados momentos, podemos ter dúvidas quanto à comunicação mediúnica. Por isso, é bom saber que a mente do médium nunca funciona como um telefone. Há sempre algum filtro ou interferência na comunicação. A isso chamamos de ANIMISMO. A palavra "animismo" vem de "anima", que significa "alma". Logo, em outras palavras, "animismo" é algo que vem de nós mesmos, de nossa própria alma, e não de qualquer outro espírito comunicante. O animismo NÃO é um fenômeno mediúnico, já que ele representa apenas as capacidades próprias de cada um. Durante a comunicação mediúnica, o subconsciente do médium (e, portanto um fator anímico) poderá interferir sobre a incorporação, deturpando as mensagens do espírito comunicante, acresentando idéias próprias do médium ou subtraindo idéias do espírito. Isso é normal e esperado, sendo, contudo, diminuído com o tempo e com o desenvolvimento mediúnico, de forma que, com o passar dos anos, haverá certamente mais entidade e menos médium nas comunicações. Mas, ainda assim, é bom salientar que o animismo, por si só, não é bom e nem mau, pois a cabeça do médium pode atrapalhar as comunicações, mas também pode ajudar, trabalhando em parceria com o Guia comunicante, contribuindo com boas opiniões que poderão ser admitidas pelo espírito.

Sei que é muito difícil, principalmente para médiuns novatos, distinguir o limite entre o que é mediúnico e o que é anímico. Portanto, aí vão algumas dicas valiosíssimas sobre o assunto. Leia com atenção e reflita sobre o comportamento dos seus Guias quando incorporados, sabendo que o animismo nunca será completamente expurgado do trabalho espiritual. Mas, com inteligência e atenção, pode ser controlado e diminuído. E as dicas abaixo irão ajudá-lo justamente nesse ponto. Isso, contudo, NÃO QUER DIZER QUE OS GUIAS SÃO PROIBIDOS de fazer o que está listado aqui. Mas é provável que o que está listado, caso seja recorrente, não tenha origem na mente do Guia, e sim na sua própria mente. Por isso, fique atento a essas dicas, reflita e evite cair nesses erros tão comuns.

1º erro) CHAMAR ALGUÉM PRESENTE PARA CONVERSAR - Se você, incorporado, tiver vontade de chamar alguém para conversar, saiba que, provavelmente isso será da sua cabeça, e não do Guia realmente, pois nenhum Guia força ninguém a nada. Se uma pessoa que está presente não pediu para conversar com o seu Guia, é porque ela não deseja essa conversa. O chamamento do Guia para a conversa representa não só uma invasão ao livre-arbítrio como também uma deselegante postura que gera desconfiança na cabeça do consulente e que deve ser evitada.

2º erro) CHAMAR ALGUM FAMILIAR OU CONHECIDO PARA CONVERSAR - Esse item é pior que o anterior. E é mais evidente que, se você tiver essa vontade, mais provavelmente terá vindo da sua própria mente, como uma forma de falar algo que talvez você não tivesse coragem se não estivesse incorporado. Lembre-se: o seu familiar não é familiar do seu Guia. O seu familiar tem tanta importância para o seu Guia quanto qualquer outro consulente. O que não o faz ser melhor que ninguém e nem merecedor de aconselhamentos especiais e demonstrações de carinho. Se você tiver vontade de fazer isso, é muito, muito provável que seja coisa da sua cabeça. Na verdade, só há duas situações em que o seu Guia poderá chamar algum familiar para conversar: Para transmitir alguma “bronca” para você mesmo ou para avisar de algum perigo próximo a acontecer e que poderá interferir sobre o SEU trabalho mediúnico. Fora isso, qualquer manifestação nesse sentido fica RIDÍCULA e desperta nos presentes a desconfiança de que, ou o seu Guia gosta mais dos seus familiares que dos outros ou então que você não está recebendo Guia nenhum, e está aproveitando para falar o que não tem coragem em situações normais. E não se enganem: os próprios familiares pensam isso, e só não falam para não magoar o médium.

3º erro) FALAR MAL DO TERREIRO DOS OUTROS - Os Guias não costumam falar mal do terreiro dos outros, mesmo que seja evidente que tal terreiro não é bom. Eles costumam fazer as pessoas raciocinarem sobre a vida espiritual de forma que elas mesmas cheguem a essa conclusão.

4º erro) PROMETER SOLUÇÕES RÁPIDAS - Nenhum Guia promete soluções rápidas. Isso porque eles – os Guias – têm responsabilidade e sabem que não existe solução que independa das atitudes do consulente. Muitos médiuns têm a tentação de fazer seus Guias parecerem poderosos e, aí, fazem o Guia prometer coisas que o merecimento e o esforço do próprio consulente não permitem. Aí, o “Guia” promete, o tempo passa e o consulente não consegue aquilo prometido. Daí para a desmoralização do médium, é um pulo. Por isso, é preciso ficar atento ao orgulho e à tendência de querer demonstrar poder. E os próprios consulentes estimulam isso. Muitos ficam elogiando o Guia durante a consulta, até o momento em que o médium, com o EGO já massageado, acaba convencido de que o seu Guia é mesmo muito bom, e acaba interferindo e prometendo o que o Guia não conseguirá cumprir. Atenção a esse item.

5º erro) RECEITAR TRABALHOS - Muitos médiuns caem na tentação de demonstrar conhecimento receitando trabalhos e ebós. E muitos consulentes pedem isso. Vêm com a pergunta: “e não há nada que eu possa fazer?”... Se o médium cair nessa tentação de querer ter resposta e solução rápida para tudo (como citado no item anterior) acabará tendendo a receitar uma baboseira que não terá resultado algum. Um Guia pode sim receitar um trabalho, mas jamais o fará em uma simples consulta de orientação. Essas receitas só são dadas com responsabilidade e, normalmente através de um jogo ou de uma conversa bastante demorada. Não em apenas 5 minutos de papo com o consulente. “Guias” que vivem receitando trabalhos têm muito mais médium do que Guia.

6º erro) POSICIONAR-SE CONTRA OU A FAVOR DE ALGUÉM CITADO PELO CONSULENTE - Toda pessoa que se consulta, enquanto narra seu problema, emite suas próprias opiniões sobre as pessoas de seu relacionamento. É muito natural que o médium acredite que a opinião do consulente é verdadeira. Então, se o consulente fala mal da sogra, é comum o médium acreditar que a sogra realmente não presta. E pode ser que não seja nada disso! Pode ser que quem não preste seja o consulente, ou pode ser que o consulente não tenha enxergado as razões que fazem a sogra agir assim. O fato é que o médium não pode tomar partido de ninguém. Nem contra e nem a favor. Não pode se envolver emocionalmente com o que o consulente fala, porque o consulente pode não saber a realidade ou a estar dissimulando. O melhor é deixar o Guia agir.

7º erro) FALAR O QUE O CONSULENTE QUER OUVIR - Essa é uma tentação bastante comum. É possível durante uma consulta entender a opinião do consulente e perceber o que ele espera ouvir. Médiuns que pensam em AGRADAR acabam caindo na tentação de forçar o Guia a falar o que o consulente quer ouvir. Só que, nem sempre, o que o consulente espera ouvir é a verdade. E o Guia sempre quer falar a verdade. Cair nesse erro acaba deixando o médium desacreditado.

8º erro) FAZER PREVISÕES - Tenham muita cautela quando vier na cabeça algum pensamento sobre algo que ainda não aconteceu ao consulente. Em outras palavras, tenham cuidado com as previsões. Embora em muitos terreiros isso seja uma coisa comum, não é sempre que tais previsões se concretizam. Justamente porque o médium se empolga e dá vazão ao animismo, querendo demonstrar que o seu Guia é capaz até de saber o futuro. E aí a coisa pode não acontecer, e o médium ficar desmoralizado. É preferível trocar a PREVISÃO pela ORIENTAÇÃO. Aliás, o consulente que só quer saber de previsão (e não de orientação) não está nem um pouco afim de esforço ou de reforma íntima. Por conseguinte, será muito mais difícil que resolva seu problema.

9º erro) FORA DA UMBANDA NÃO HÁ SALVAÇÃO - É natural do ser humano querer convencer os outros de que suas escolhas são as mais acertadas. E isso também se refere à religião. Por isso, é comum médiuns que forçam o seu Guia a falar que se o consulente não entrar para a Umbanda irá ter esses e aqueles problemas. Colocam medo mesmo, quando o mais correto seria aconselhar o consulente a ligar-se à qualquer religião, independente de qual seja. O mais importante no campo religioso é o AMOR que a pessoa tem pela sua forma de praticar a crença. Isso é o que importa.

Em outras palavras, tenham cuidado com a VAIDADE. É ela quem faz o médium se sentir superior ao que realmente é, e acabar caindo em erros como “inventar previsões”, “tentar agradar o consulente”, “receitar trabalhos”, etc.

Todos esses itens podem acontecer e ser obra do próprio Guia mas, para isso, deverá haver um motivo que justifique. Nenhum Guia sai por aí fazendo previsões, elogiando consulentes, chamando pessoas para conversar, tomando partido do consulente, receitando trabalhos, etc, etc. Se, em um simples bate-papo entre o seu Guia e um consulente você tiver vontade de fazer algo assim, desconfie! Pode ser que seja sua cabeça falando mais alto. É hora de relaxar e tentar escutar a orientação espiritual. Se for em uma consulta mais demorada ou em um jogo, aí pode até ser. Fora isso, é muito difícil. Cuidado para não virar motivo de comentários entre consulentes e freqüentadores da casa!

O que os Guias sempre procuram fazer é levar palavras de força e conforto, fazendo as pessoas acreditarem mais em si mesmas. Sempre tentam fazer o consulente ver por outro lado as situações ruins, mostrando que, mesmo nessas situações, há sempre uma lição a ser aprendida. Se o consulente reclama das atitudes de alguém, dificilmente o Guia irá concordar com o consulente. Irá antes, tentar fazer com que o consulente tente enxergar sob a ótica da outra pessoa, fazendo-o entender o que motivou tal pessoa a agir dessa forma. Os Guias fazem tudo para semear harmonia e consciência. E preferem, sem dúvida, a ORIENTAÇÃO à PREVISÃO.

Pode acreditar! Vai por mim!

Amplexos,

Tata Luis

#animismo #incorporação #transe #mediunidade #PapodeTerreiro

206 visualizações

A CENTELHA DIVINA, por ser uma Missão Umbandista e por ter como referência a prática da caridade, do amor e do respeito ao próximo, seguindo as sagradas Leis de Umbanda, não exerce cobrança financeira de qualquer tipo, por qualquer atendimento ou trabalho realizado, bem com não realiza o sacrifício de qualquer animal, nem utiliza qualquer coisa de origem animal em seus rituais.