• TATA LUIS

SESSÕES DE PASSES TERAPÊUTICOS


​​ Quero falar um pouco sobre essa atividade desenvolvida em nossa casa: as Sessões de Passes Terapêuticos ou, como o pessoal costuma falar, os "passes de cura".

Confesso que, inicialmente, não sabia muito bem o que esperar desse trabalho pois, apesar de conhecer as técnicas e de já conhecer bastante o assunto, não tinha certeza se conseguiríamos encontrar espaço em nossa agenda para a sua realização, não sabia se teríamos médiuns dispostos a trabalhar e nem se o trabalho seria bem entendido pelos atendidos. Preocupações normais em qualquer início de trabalho...

Mas, com grande sabedoria, nossos amigos espirituais souberam bem conduzir a situação, de forma suave, sem sobressaltos e, diria, até lenta demais. Mas era necessário ser assim. Afinal, a maioria dos médiuns nunca havia tido contato com nenhuma técnica de cura (energética, prânica, espiritual...). Sendo assim, foi preciso que os preparativos internos tivessem sido iniciados há mais de um ano, com nossos guias ensinando aos médiuns, conversando e experimentando soluções práticas. Durante esse período de apresentação das técnicas de cura aos médiuns, chegamos a realizar cirurgias espirituais (invisíveis), tivemos a presença do espírito Dr. Radamés apresentando-se ao trabalho, recebemos orientações da Cabocla Janaína sobre chakras, circulação de bioenergias, cromoterapia e aplicação de passes. Enfim, vários foram os passos até que o trabalho pudesse ser desenhado como hoje é, e ser apresentado ao público.

Hoje, já com alguns meses de atendimento, sinto-me feliz ao ver o trabalho se desenvolvendo de forma tão legal. Vemos os atendidos relatando melhoras de saúde e os médiuns conscientes de seu papel de "curadores" e "passistas". Assuntos que anteriormente eram vistos com certa reserva, hoje são objeto do interesse desses mesmos médiuns, como por exemplo, o funcionamento dos chakras, a transmissão de energias, o passe específico de cura, e outros. Vemos, durante as consultas prévias aos atendimentos, os Caboclos e Caboclas discorrendo sobre cromoterapia e técnicas de cura, com grande naturalidade! E, além de tudo isso, observamos um contínuo aperfeiçoamento de nossas equipes e métodos de trabalho.

Não há como não agradecer à Cabocla Janaína, a idealizadora deste grande projeto. Foi ela quem teve a idéia, instruiu os médiuns, treinou as técnicas terapêuticas e delineou a forma dos atendimentos. É ela, ainda, quem organiza o trabalho e o acompanha de perto, esclarecendo, tirando dúvidas dos médiuns e, quando necessário, orientando consulentes. Ela é, enfim, a grande mentora disso tudo.

Para quem ainda não participou, as atividades das sessões de passes terapêuticos acontecem da seguinte forma: 1) Os consulentes que desejam receber passes terapêuticos têm que, antes, passar pela consulta com Caboclos e Caboclas, para que eles possam recomendar o melhor tipo de tratamento, indicando a localização e a quantidade de passes e o tipo de aplicação cromoterapêutica. As indicações são, então, devidamente registradas em ficha própria, que deverá servir de orientação para todo o tratamento daquela pessoa. Nessa ocasião, também é lembrado ao consulente que o nosso tratamento é espiritual e que nenhum tratamento médico deve ser suspenso ou interrompido.

2) No dia do tratamento de passes terapêuticos, os médiuns assumem suas posições em quatro equipes previamente organizadas, sendo compostas de médium passista, médium suporte e cromoterapeuta, além de médiuns de apoio para preparação de água fluidificada, defumação do ambiente e passe inicial de limpeza do atendido. Somam-se aos médiuns acima, os cambonos que recepcionam os consulentes, organizam o trabalho e os introduzem ao atendimento.

3) Cada consulente a ser atendido entrega sua ficha aos cambonos, que registram na ficha a presença naquele dia específico e iniciam a organização dos atendimentos.

4) Um a um, os consulentes são encaminhados à uma Cabocla, para proceder à limpeza inicial através de passes, preparando o consulente para a recepção das energias terapêuticas dentro da Sala de Cura.

5) Após o passe de limpeza, o consulente e sua ficha são encaminhados para a Sala. Uma vez lá dentro, o atendido é encaminhado até uma das macas, onde uma das equipes trabalhadoras já se encontra a postos, pronta para iniciar o atendimento.

6) O atendimento é iniciado com a aplicação da cromoterapia, caso tenha sido indicada pelos Caboclos. Após a aplicação das luzes, inicia-se a aplicação dos passes pelos médiuns passista e suporte.

7) Ao término do passe terapêutico, o atendido ingere a água fluidificada e é retirado da sala para que possam proceder outros atendimentos.

8) Do lado de fora, os cambonos estão disponíveis para qualquer esclarecimento adicional. Em resumo, é mais ou menos isso o que acontece. É claro que sempre há alguma instrução a mais, algo que diferencie um atendimento de outro... O fato é que ficamos - mesmo - muito satisfeitos ao vermos os resultados de tudo: Pessoas notando grande melhora em sua saúde, pessoas mais otimistas, pessoas se sentindo melhor... Enfim, PESSOAS! Pessoas como nós, que estamos sempre buscando algo de melhor para nossa vida! Pessoas como nós, que sempre buscamos algo que nos dê esperanças! Pessoas como nós, que buscam na fé a diminuição do sofrimento! Pessoas como nós, que esperam que outras pessoas (como nós) possam estender as mãos e trazer um pouco de alívio para as dores. Por estes e outros motivos, ficamos felizes em poder ter em nossa casa um trabalho como esse, que nos dá a certeza de que não estamos trabalhando em vão! Que podemos ser úteis! Que realmente praticamos a fraternidade! Que somos PESSOAS!

Amplexos,

Tata Luis

#passe #terapêutico #cura #médium #cirurgiaespiritual #curaespiritual #PapodeTerreiro

121 visualizações

A CENTELHA DIVINA, por ser uma Missão Umbandista e por ter como referência a prática da caridade, do amor e do respeito ao próximo, seguindo as sagradas Leis de Umbanda, não exerce cobrança financeira de qualquer tipo, por qualquer atendimento ou trabalho realizado, bem com não realiza o sacrifício de qualquer animal, nem utiliza qualquer coisa de origem animal em seus rituais.