• TATA LUIS

OS NOVOS PAIS DE TERREIRO DE "A CENTELHA DIVINA"


No último dia 13/12, domingo, após os devidos preparativos espirituais, foram elevados à categoria de novos Pais de Terreiro de “A CENTELHA DIVINA” as mães Alexandra (de Bessém), Rosi (de Oxum) e pai Sérgio (de Oxaguian). Na ocasião também foi realizada a renovação dos votos e confirmação do Pai Pequeno da CCU, Pai Rafael (de Iemanjá), elevado a esta condição desde abril de 2014.

Foi um final de semana especial, recheado de conversas, aconselhamentos, orientações e muito trabalho espiritual, propiciando a nova fase que viverão de agora em diante. Mas também houve bastante reflexão! "- Como um flash vi a menina de oito anos que foi visitar o terreiro pela primeira vez, ouvi o atabaque, o encantamento com as cantigas, o cheiro do defumador, a beleza dos médiuns de branco e batendo palmas. Passaram-se os anos e hoje não me recordo, em um único instante, sem ser UMBANDISTA", disse Mãe Alexandra. E completou: "- Resumindo em uma palavra o que sinto agora: ACOLHIMENTO! Sinto-me - e estou - determinada a abraçar a nova jornada!".

E parece que o sentimento de "acolhimento" foi geral! “- Viver essa experiência foi mágico”, disse Mãe Rosi. “Eu me senti acolhida não só pelos Orixás, como também pelo Tata, pelo Pai Rafael, Pai Sérgio e Mãe Alexandra. A felicidade de cada um de nós estava no ar; o amor presente em cada detalhe... Foram muitas emoções! Se eu fosse detalhar cada uma, eu passaria horas descrevendo... Aprendi mais uma vez que amor, respeito, confiança e fé são primordiais para essa etapa da minha vida e se, em algum momento eu tive dúvida, hoje já não tenho! Vou procurar fazer o meu melhor!”.

E será preciso mesmo ter confiança e fé e querer fazer sempre o melhor! Já no começo de 2016, os novos Pais de Terreiro assumem novas atribuições espirituais. Enquanto seus próprios núcleos espiritualistas não estiverem em funcionamento, colaborarão com seu trabalho e experiência no acolhimento e desenvolvimento mediúnico de novos membros da CCU (Casa do Caboclo Ubirajara), núcleo da CENTELHA de onde eles mesmos partiram para essa nova etapa em suas vidas.

(na imagem, da esquerda para a direita: Pai Rafael, Mãe Rosi, Mãe Alexandra e Pai Sérgio, em seu primeiro café da manhã, após os ritos propiciatórios para a nova função)

Na CCU assumirão temporariamente a coordenação de novos dias de trabalho, tutelando os médiuns e transmitindo-lhes um pouco de sua vivência, da seguinte forma:

  • Sessões realizadas às terças-feiras, das 19h30 às 22h00 – Continuarão sob o comando de Pai Rafael;

  • Sessões realizadas às quartas-feiras, das 19h30 às 22h00 – Serão comandadas por Mãe Rosi;

  • Sessões realizadas às quintas-feiras, das 19h30 às 22h00 – Serão comandadas por Pai Sérgio;

  • Sessões realizadas aos Sábados, das 15h00 às 17h30 – Serão comandadas por Mãe Alexandra.

É claro que o princípio de qualquer novo desafio gera apreensão. Pensando nisso, lembrou Pai Sérgio que Tia Chica, sua preta-velha já o advertia que essa fase de mudanças representa “o início do desconhecido e o começo da luta contra o medo”; mudanças essas, das quais não fazia ideia ao iniciar-se na Umbanda. Diz ele: "- Em 2006 tive o meu primeiro contato como médium em um terreiro. No início eram desconfianças, medos e incertezas. O tempo foi passando e os guias foram me mostrando o que era a UMBANDA. Aos poucos a confiança foi aumentando e os testes também. Testes esses pelos quais fui passando com a certeza de estar no caminho correto! Então veio a notícia nunca esperada: - Vamos abrir a nossa casa? Falou aquela que é minha tutora - com seu jeito doce que mistura mãe e avó -, Tia Chica, minha paixão, que confiou em mim para essa nova etapa e eu, sem questionar, aceitei, com a certeza de estar fazendo a coisa correta. Depois da notícia veio uma sensação de dúvidas... “será que consigo”? Então vieram os treinamentos e a tão esperada preparação final, onde fomos envolvidos mais fortemente com as energias de nossos Guias. Hoje começa um novo capítulo nesta série de vários capítulos que é a vida espiritual. Inicia-se a vida como “Sacerdote”, mas sempre com a convicção de que o aprendizado é constante!".

E, enquanto os novos Pais de Terreiro se preparam para começar a escrever esse novo capítulo, assumindo novas funções, vencendo seus limites e honrando os compromissos, passemos a palavra ao Pai Rafael, que, de forma muito responsável e competente já passou pelo que os novos Pais passam nesse momento e, desde então, vem desempenhando com grande responsabilidade e competência a função de Pai Pequeno dentro da CENTELHA. Suas palavras, como alguém mais experiente, servem não apenas de incentivo aos novos Pais de Terreiro, mas também como um aconselhamento sincero sobre o valor do contínuo aprendizado. Diz ele:

"Na dança de cores, formas e sabores da vida, assumimos diferentes papéis, em diferentes momentos. Ora somos quem aparece para estender a mão e ajudar a encontrar a solução para as aflições de alguém, ora somos quem recebe aquele auxílio importante para que possamos nos reerguer e renovar as esperanças. Tudo em um movimento harmônico e ajustado, dirigido pela natureza das vibrações dos Orixás. Assim, podemos observar que nunca estamos desamparados, independente da circunstância. Seja dentro de uma religião, seja através da expressão artística, da busca por conhecimento, do trabalho que é feito com dedicação, dos cuidados com a família, podemos estar em contato com as Boas Vibrações que inundam o universo. Basta que não hesitemos em praticar aquilo que nos fala ao coração, aquilo que soe ao nossos ouvidos como a nossa forma de contar a verdade. Ser trabalhador da Umbanda tem sido, para mim, uma possibilidade de encontro com a minha verdade. Uma oportunidade de doar um pouquinho de mim e de receber muitos ensinamentos, os quais eu tento aplicar em minha vida. Não há nada que me deixe mais feliz do que cantar enquanto os Orixás e os Guias de Umbanda dançam e irradiam sua energia. Me vejo fazendo isso de forma natural, espontânea, sem dor e sem peso. Hoje eu sou Pai Pequeno, já fui filho, já fui cambono, já fui curimbeiro, já fui assistente, já fui consulente, enfim, para que eu possa atualmente entender que essa é a minha verdade, não posso nunca deixar de ser aluno. Axé!"

A CENTELHA DIVINA deseja aos novos Pais de Terreiro um futuro de muito trabalho, dedicação, aprendizado e muita, muita satisfação!

Que os seus Orixás os abençoe em sua nova caminhada, encorajando-os, fortalecendo-os e guiando-os em todos os passos, e que não lhes falte, em qualquer momento a confiança em si mesmos e nos seus Amparadores espirituais.

Que os Sete Raios Divinos incidam sobre suas coroas trazendo de Aruanda todas as bênçãos dos Orixás e as vibrações de A CENTELHA DIVINA.

#PaideTerreiro #atualidades

65 visualizações

A CENTELHA DIVINA, por ser uma Missão Umbandista e por ter como referência a prática da caridade, do amor e do respeito ao próximo, seguindo as sagradas Leis de Umbanda, não exerce cobrança financeira de qualquer tipo, por qualquer atendimento ou trabalho realizado, bem com não realiza o sacrifício de qualquer animal, nem utiliza qualquer coisa de origem animal em seus rituais.