• TATA LUIS

MENSAGEM DE RAMATIS AO GRUPO "AMIGOS DE RAMATIS", TRANSMITIDA EM 04/05/2016


Filhos do meu coração

Como patrono de vosso trabalho, sentimo-nos na obrigação de vos dirigir essas palavras em momento tormentoso como este em que vos encontrais, cientes que somos de vossa inexperiência no campo das atividades espirituais dessa natureza, que demandam não apenas vossa dedicação e tempo, como também a resistência a possíveis ataques patrocinados por espíritos em desconforto com vossas ações.

Nosso maior interesse, aficionados que somos pela instrução é, através da humilde transmissão de nossas palavras, fomentar no terrícola comum a curiosidade e o despertar da consciência sobre valores espirituais ainda ocultos à massa, mas ao alcance do espiritualista desejoso de reformar-se a si próprio e de servir de intérprete às nossas considerações. Nesse propósito, fostes conclamados à colaboração, doando de vosso precioso tempo, momentos dedicados ao estudo, à prática do ensino e da transmissão de nosso pensamento. Contudo, não obstante vossa dedicada atuação e boa vontade, fatores que fogem ao vosso domínio e que - não devidamente refreados - causam desconforto em meio à vossa união, podem vir a solapar a proposta original, obscurecendo vossa visão quanto ao real objetivo inicialmente assumido.

Deveis, portanto, estar atentos e cautelosos, pois que ações malfazejas vindas do além, podem desbotar o brilho de vosso trabalho, conduzidas pelas hábeis mãos de malfeitores espirituais interessados na descontinuidade de vossa atuação. Para resistirdes à tais investiduras, deveis lapidar constantemente vossos próprios valores, vigiar vossas intenções e acalmar vossos sentimentos a fim de não serdes facilmente subjugados por ação perniciosa que, sorrateiramente, invade o seio familiar, entorpece a razão e obnubila a visão do trabalhador descuidado, tal qual serpente ardilosa que aproveita o sono do mateiro descuidado para inocular seu veneno mortal. Nosso alerta é, portanto, necessário para que tomeis consciência que tendes em vosso trabalho espiritual – a que gentilmente denominais “Encontro dos Amigos de Ramatis” - joia de inestimável valor que, por sua preciosidade, é cobiçada por elementos astralinos, desejosos de dela se apoderarem afim de, uma vez dominada, poderem acobertar seu real quilate e interromper sua luminescência.

Em qualquer trabalho espiritual, no qual a propositura seja objetivamente positiva, de instrução, de esclarecimento e de consolo, vez ou outra são despertadas forças contrárias a tal movimento, cientes que são da possível abrangência que tal ofício possa alcançar, surrupiando das garras da ignorância e do ódio espíritos - encarnados ou não - até então vítimas da ação de algozes obsessores e contumazes desordeiros do plano astral. Eis que, em ocasiões tais, desperta-se a guerra entre os vis espíritos obscurecidos pelas paixões de domínio, raiva e subjugação e os dedicados trabalhadores humanos, movidos por sentimentos de doação, complacência e caridade. Nessa batalha, o vencedor é determinado pela maior resistência à investida do opositor. De um lado, embora bem intencionados, trabalhadores descuidados transformam-se em vítimas, deixando-se aparelhar por instrumentos perniciosos à sua conduta e à sua estabilidade emocional. Do outro, malfeitores espirituais ressentidos pela culpa convertem-se em almas arrependidas, tocadas pelas doces e melodiosas palavras do evangelho. Nesse ínterim, enquanto os confrontos não apontam para a vitória nem de um e nem de outro lado da batalha, os exércitos permanecem entrincheirados e combativos, cada qual disparando suas portentosas armas em ininterruptas investidas, até que um dos lados possa sagrar-se vencedor.

Nosso papel, enquanto agentes da felicidade e do bem, comandados pelo Mestre Nazareno, é não apenas resistir às investidas do exército opositor através do fortalecimento da consciência, da prática do perdão e do fomento ao amor; mas também, avançar sobre o território inimigo, convertendo pelas palavras e pelas ações os irmãos enceguecidos pela cólera, em torvelinho de paixões. Se, contudo, ao atiçar-se do primeiro estopim, desferimos contra nós mesmos crudelíssimas bombas emocionais, ferindo-nos internamente com palavras mal colocadas e desviando-nos do objetivo inicialmente proposto, facilitamos ao opositor a vitória inexorável nessa guerra fratricida.

É portanto, indispensável ao bom combatente o bom combate! E este é melhor combatido quando realizado dentro dos próprios sentimentos, podando mazelas emocionais, ressentimentos e ódios em função do progresso sobre as tentações apresentadas pelo ego e tendo como bandeira o prática do perdão e do amor ao próximo. Não é vigiando o irmão, nem sua conduta, nem suas palavras e, nem tampouco imputando-lhe culpas que são vencidas batalhas desta natureza; mas é com cada um vigiando de per si suas ações e pensamentos que se fortalece nosso exército no bem, facultando-lhe a vitória sobre as algozes investiduras inimigas.

Refleti, pois, sobre essas palavras! Mantende vossos pensamentos em sintonia com a proposta original! Investi vossos pensamentos e sentimentos no acerto de vossas próprias imperfeições e, sobretudo, alimentai vossa confiança no Senhor de vosso exército, que não descuida e nem dorme, e que vos equipa com todas as ferramentas necessárias ao devido labor, cabendo-vos, somente, a atenção sobre vossa marcha para que, descuidados, não tropeceis em minas de ódio e rancor plantadas em vosso território pelos agentes infiltrados da oposição, capazes de vos ferir e também aos vossos irmãos.

Ademais, verificai que vossa ordem, estabelecida e arregimentada pelo Cristo Cósmico, é ordem destinada à vitória, posto que governada por comandante luminoso, zeloso para com seus soldados e ciente de cada passo a ser dado pelo seu exército; e que o guia até o fim, conduzindo-o à libertação do ego e da ignorância, de modo a poder alcançar, enfim, a vitória almejada desde o primeiro clamor de batalha e o direito de erguer e hastear, luminosa e tremeluzente, a alva bandeira do Amor e da Paz.

De nossa parte, colocamo-nos, como sempre, humildemente à vossa inteira disposição para o esclarecimento, o auxílio e o encorajamento em vossa missão, irmanando-nos através de palavras e vibrações de amor, concórdia e união.

Paz, Luz, Serenidade e Amor,

Ramatis.


17 visualizações

A CENTELHA DIVINA, por ser uma Missão Umbandista e por ter como referência a prática da caridade, do amor e do respeito ao próximo, seguindo as sagradas Leis de Umbanda, não exerce cobrança financeira de qualquer tipo, por qualquer atendimento ou trabalho realizado, bem com não realiza o sacrifício de qualquer animal, nem utiliza qualquer coisa de origem animal em seus rituais.