• Mãe Alexandra

FELIZ ANIVERSÁRIO CCU!


A Casa do Caboclo Ubirajara completa mais um ano de vida nesse dia 27 de setembro de 2016. São nove anos de muitas atividades. E, para descrever essa rotina de constante movimentação, nada mais propício que o texto abaixo, escrito por Mãe Alexandra:

A CASA DO CABOCLO UBIRAJARA

Podem acreditar, mas é um dos locais mais incríveis que já conheci. Aqui nessa casa o ano começa por mais de doze vezes. Não entendeu? Então, presta atenção e vem comigo vivenciar essa grande façanha. Vem preparado (a) e com fôlego, porque intensidade é no nível máster.

Trinta e um de Dezembro, 23h59, ponteiro do relógio vira e é Réveillon!!! Feliz ano novo!!! Nova regência!!! Quantas expectativas e planos... opa!!! Stop!!! Não podemos nos ater muito às comemorações, faltam aproximadamente vinte dias para reabertura da casa com festa de Oxóssi e Ossain, vamos aos preparativos. Comprar flores, arrumar a parte externa, vamos rever nossos irmãos, receber a energia dos orixás homenageados, incorporar nossos falangeiros. Energias renovadas, sensação de retorno ao lar. O ano está só começando RS RS RS.

Oh! Abre alas que eu quero passar... com toda a movimentação social do período carnavalesco começamos a pensar na festa dos Malandros. Salve a Malandragem!!! Faz lista, organiza escala de médiuns, decoração, marca assistência ... UFA!!! Quanta coisa para demonstrar nosso carinho. Vamos em frente, estamos nos primeiros passos da nossa trajetória e com energias renovadas para mais dez meses.

E como disse anteriormente, são os primeiros passos, pensando nisso, nada melhor que um acerto de conta com nós mesmos e continuarmos com o coração e a mente mais leves. Dia do Perdão – enquanto muitos procuram outros ares para aproveitarem o feriadão da Semana Santa, nós médiuns da Casa estamos em preparo e reflexão. Essa comemoração é um dos momentos mais próximos ao Criador, é a hora de nos entregarmos de corpo (jejum) e de alma (orações). Emoção a flor da pele diante da presença dos Mensageiros, lágrimas purificantes e pensamentos elevados. Temos a impressão que ano está começando outra vez.

Como uma boa casa de Oxumarê, saímos da calmaria para agitação em uma fração de segundos. Temos que organizar a alvorada, obrigação da mata com festa de Ogum e Obá. Corações acelerados, terreiro vibrante e o tempo mais rápido que o normal. Temos que providenciar os fogos. Quem vai comprar? Quem vai montar? Quem vai acender? Falta o corneteiro, quem conhece um? E em vinte e três de Abril acordamos a vizinhança RS RS RS . Boomm, Boomm, Boomm, toca a alvorada do Guerreiro da Umbanda, explodindo tudo que atrapalha nossa caminhada. Energias transbordando, todos fortalecidos para irmos em frente. Mas, não acabou por aí, tem a obrigação da mata. Quem vai??? Ônibus reservado, e esse ano já precisamos de dois, como serão os próximos??? Quem sabe uma frota inteira RS RS RS. Cheiro de mato, barulho de cachoeira, vento fresco, ar puro e chegamos ao Parque dos Orixás. Que dia lindo com nossos guias e irmãos. No retorno, não podemos negar, o cansaço físico, mas a renovação do espírito é mais do que comprovada.

Tudo isso e ainda não estamos no meio do ano... tem muita coisa boa pela frente, continua comigo...

Cheirinho de cachimbo no ar, fala carinhosa e é o mês dos nossos amados vovôs e vovós da Umbanda. Salve os Pretos Velhos!!! Em meio a tanta simplicidade posso dizer que não há nessa terra, nada mais confortador, que o abraço de um preto velho. Quanto carinho, quanta sabedoria, quanta humildade e quantos ensinamentos. Eu adorei as almas!!!

Mês seis, meio do ano, hora de renovar a proteção e nada melhor do que eles: Exus e Pomba Giras. Nossos guardiões incansáveis. Nossos protetores nas ruas, a guarda de nossas porteiras, mas tão incompreendidos. Festa grande, muito procurada, terreiro lotado. Muita coisa para arrumar... UFA. Mas o mês não acabou, temos outro grande momento para ficarmos com as “baterias recarregadas”. Acende a fogueira, é festa de Xangô e Povo do Oriente. Os extremos parecem ser o nosso ponto forte rs rs rs. Por que será? Lenha queimando, energia renovando e disposição para mais e mais coisas boas que estão em nosso calendário.

Julho chega e, nos próximos anos, após uma enquete disputada com campanhas eleitoreiras, teremos as camarinhas. Comunhão, significado máximo desse momento. Não é por não ter festa que não temos muito trabalho. Nos outros meses, com toda a agitação, e nesse temos: atendimentos ao público, trabalhos internos, cuidamos uns dos outros, temos ensinamentos, cursos, atividades dos grupos tarefas e etc, etc, etc. A casa está em constante movimento e não poderia ser diferente com o pai que temos cuidando de tudo e de todos.

Enquanto muitos repelem o mês de Agosto, nós esperamos por ele ansiosamente. É o mês de comemoração a Nação Jeje. Atotô Xapanã, nos tire as mazelas do corpo e do espírito. Saluba Nanã, transforma nossas energias. Relembramos nossa origem. Desejamos que os deburús de nosso pai recaiam sobre nós. E para fechar com chave de ouro temos Ewá, a deusa da inspiração, a cobra fêmea, e a festa do dono do arco-irís Oxumarê. Chuva de búzios e prosperidade para todos nós. Quem vai ajudar a abrir os búzios de nosso Pai???

Salve Ibejada!!! Lá no céu tem três estrelas, todas três em carreirinha, lá no céu tem três estrelas, todas três em carreirinha, uma é Cosme e Damião, a outra é... São tantas crianças que alegram, nos trazem a pureza de pensamentos e a inocência dos sentimentos. Não teria data mais bonita para ter sido inaugurada a Casa do Caboclo Ubirajara. Arruma o terreiro, enche bola, decora a mesa, cadê os doces??? Liga para os médiuns que ainda não trouxeram. Cadê esse povo??? Estão chegando??? Coloca o bolo na mesa, arruma as balas, não cabe tudo RS RS RS. Aqui nessa Casa a prosperidade reina graças a Deus.

E por falar em prosperidade nada mais farto que o Povo Cigano. Outubro chega trazendo o encanto e a magia desses falangeiros. Muita cor, muito brilho, muito tecido, tudo muito. Arruma, desarruma, coloca pano, tira pano, tudo pronto. Chama a Cabocla Janaína para avaliar, chama o Tata para olhar e: troca esse por aquele, coloca mais cor. Optchá!!!

Falta só um pouquinho para acabar nossa maratona e precisamos de um gás. Respira!!! E viva a Umbanda e Salve o Caboclo das Sete Encruzilhadas. Em quinze de Novembro vamos homenagear os fundadores dessa maravilhosa religião que é a Umbanda. Atabaques a todo vapor, brados ecoando e os falangeiros da mata chegam com mensagens de amor, paz, otimismo e perseverança para nossas vidas. Como somos gratos a essa falange.

Chegou Dezembro e estamos na reta final, de um período cheio de lutas, vitórias, conquistas, aprendizados e trabalho. Esse ano, vamos pela primeira vez fazer a festa das Iabás na praia, estamos cheios de expectativas. E para fechar com chave de ouro não podia faltar Ele: Epá Epá Babá, Salve Oxalá! Gratidão, esperança para o ano que irá chegar. União, confraternização, esperança, e bons sentimentos. Coração preparado para mais trezentos e sessenta e cinco dias que estão batendo na porta.

Assim é a Casa do Caboclo Ubirajara: muitas transformações, mudanças e inovações.

Que sejamos sempre abertos ao novo e aos riscos de sermos diferentes. Que nossas portas sempre estejam abertas, para todos que precisarem de auxílio e para todos que desejarem dividir conosco essa fantástica viagem.

Gratidão pelos nove anos da nossa Casa. Agradecimento a Deus, ao nosso Pai Oxalá, ao nosso Pai Oxumarê e a todos os Orixás e Falangeiros. Muito obrigada ao nosso Tata Luís Eduardo e ao nosso Pai Pequeno Rafael por toda dedicação e carinho conosco. Parabéns para todos os médiuns que fizeram e aos que fazem parte dessa história.

Que venham muitos anos de trabalho e vitórias.

Salve a Umbanda!!!

Viva a Casa do Caboclo Ubirajara!!!

#festa #CCU #CasadoCabocloUbirajara #aniversário #sessões #umbanda

641 visualizações

A CENTELHA DIVINA, por ser uma Missão Umbandista e por ter como referência a prática da caridade, do amor e do respeito ao próximo, seguindo as sagradas Leis de Umbanda, não exerce cobrança financeira de qualquer tipo, por qualquer atendimento ou trabalho realizado, bem com não realiza o sacrifício de qualquer animal, nem utiliza qualquer coisa de origem animal em seus rituais.