• Pâmela Barros

CCU NO "II FESTIVAL DE CANTIGAS DE TERREIRO VOZES DO AXÉ"


Aconteceu no dia 13 de Novembro de 2016 o II Festival de Cantigas de Terreiro "Vozes do Axé". A CCU marcou presença no Festival concorrendo na categoria de Melhor Cantiga Aspirante com a cantiga “Louvado seja Obaluaiê" de autoria do Pai Pequeno da Casa, Pai Rafael.

O evento é um projeto organizado pelo Templo Estrela do Oriente que visa integrar as diferentes comunidades de terreiros, umbandistas, candomblecistas, simpatizantes, lideranças de todas as formas de Axé e a sociedade em geral.

O Festival teve ainda a categoria Campeão dos Campeões, onde apenas vencedores do Prêmio Atabaque de Ouro puderam participar. Nomes conhecidos no mundo do Axé como José Carlos de Oxóssi, Beatriz Nascimento, Edvander Oliveira e José Carlos de Oxum disputaram essa categoria. Quem levou o prêmio foi o intérprete Edvander Oliveira.

Ao todo, concorreram 29 cantigas aspirantes e a nossa Casa ficou com o 10º lugar. O grande vencedor da categoria foi a Tenda Espírita do Caboclo Flecheiro com a cantiga “A coroa de Rei é do Seu Tranca Ruas”.

O corpo de júri contou com as presenças ilustres de personalidades do movimento religioso. Nomes como Maria Amélia Martins, Mestre Ivo, entre outros.

Essa foi a primeira vez que a nossa Casa participou de um evento desse tipo. Ter ficado entre os 10 melhores serviu pra nos deixar com gostinho de "quero mais". Todos saíram tão animados que as ideias pra novas cantigas já começaram a ser colocadas no papel. Alguém tem dúvidas de que a nossa próxima participação vai ser um arraso?

Logo após a realização do festival, Pai Rafael e Lucimar, intérpretes da cantiga, conversaram com nosso site. Veja a entrevista na íntegra clicando aqui.

Clique na imagem a seguir e assista a belíssima apresentação de Pai Rafael e Lucimar:

Veja a seguir, fotos da participação dos membros da CCU no evento:

#festival #Umbanda

159 visualizações

A CENTELHA DIVINA, por ser uma Missão Umbandista e por ter como referência a prática da caridade, do amor e do respeito ao próximo, seguindo as sagradas Leis de Umbanda, não exerce cobrança financeira de qualquer tipo, por qualquer atendimento ou trabalho realizado, bem com não realiza o sacrifício de qualquer animal, nem utiliza qualquer coisa de origem animal em seus rituais.