• Tata Luis

O ORIXÁ REGENTE DE 2017


Já é praxe: Fim de ano é época de querer saber qual Orixá regerá o ano seguinte e os prognósticos.

Para identificar o Orixá regente, os terreiros utilizam métodos variados: uns determinam pelo dia da semana em que o ano começa; outros, pelo astro regente; há os que fazem jogo de búzios, os que consultam os seus Guias e, ainda, aqueles que utilizam outros oráculos e seus métodos próprios.

Devido à grande variedade de métodos, é possível haver diferenças entre o Orixá que uns apontam como regente e o que outros identificam como tal.

Pois bem, como sempre explicamos (mais ou menos nessa mesma época do ano), nós da CENTELHA nos guiamos, dentre outros fatores, pela observação do elemento regente - água, fogo, terra ou ar (nesta sequência) -, sendo que anos bissextos, como 2016, são anos regidos sempre pelo elemento ÁGUA, devendo ser comandado, portanto, por Orixás que tenham ligação com este elemento (2016 foi regido por Oxalá e Iemanjá).

Pelo que tenho observado, muitas vezes nosso método coincide com os resultados apontados por outros métodos, como aconteceu em 2013 com Ogum, 2014 com Xangô e Iansã e 2016 com Oxalá e Iemanjá. Mas essa coincidência nem sempre ocorre. Em 2015, por exemplo, não compartilhamos com a maioria que indicava Ogum, assim como em 2017 não compactuamos com a ideia de que o ano será regido por Oxóssi e Oxum, como consta em muitos sites da internet. E isso tem explicação!

Mas, antes de falar mais do nosso método, quero fazer um parêntesis e citar um grande erro que tenho percebido especificamente nesse ano: O primeiro site que publicou que 2017 seria regido por Oxum e Oxóssi, começa dizendo que, “já que o planeta regente de 2017 será VÊNUS, os Orixás regentes serão Oxum e Oxóssi, que possuem relação com tal planeta”... A partir daí, a informação se multiplicou, e muitos outros sites passaram a disseminar a mesma ideia (cópia?).

O fato é que, quem escreveu que 2017 será regido por VÊNUS se equivocou enormemente! 2017 SERIA regido por Vênus se 2016 não tivesse sido o último ano de um ciclo de 36 anos regido pelo SOL. Com o término desse ciclo, inicia-se em 2017 um novo ciclo, desta vez regido por SATURNO, de forma que Saturno passa a ser o planeta que regerá o primeiro ano dessa nova sequência.

Ou seja, seguindo o sequenciamento anterior, de fato seria Vênus o regente de 2017. Mas, como um novo ciclo se inicia agora, o sequenciamento anterior desaparece e começa uma nova sequência iniciada por Saturno, e Vênus não possui a menor influência sobre o novo ano. Isso, o autor da matéria que citei não considerou, mas é de conhecimento básico de qualquer estudioso de Astrologia e facilmente visto em qualquer site referente ao tema. Se a pessoa que escreveu aquela matéria errada soubesse disso, não teria atribuído 2017 a Oxum e Oxóssi, mas sim a Xapanã (Omolu, Obaluaiê), Orixá que possui ligação com o astro Saturno.

O problema é que, em terra de internet tem razão quem publica primeiro e que, depois passa a ser copiado, mesmo quando sua publicação se baseia em um conceito bastante equivocado. Enfim...

Bom, mas nosso objetivo é falar do nosso método. Então vamos lá:

Como falamos lá no início, consideramos (há mais de trinta anos) o método que leva em conta o elemento regente. Em anos bissextos, que são regidos pelo elemento ÁGUA, podem aparecer como regentes Iemanjá, Oxum, Oxalá e, mais raramente, Nanã e Iansã (2016 foi Iemanjá com Oxalá). Em anos de FOGO, aparecem Xangô, Exu, Ogum e, mais raramente, Xapanã e Iansã. Quando o ano é de AR, a regência pode ser de Oxóssi, Iansã e, mais raramente, Oxalá. Nos anos de Terra, aparecem com frequência Xapanã, Nanã e, às vezes Exu e Xangô. Outros Orixás ainda podem aparecer em alguns desses elementos, mas de forma ainda mais remota, como por exemplo Oxumarê e Ewá, que podem aparecer no ar ou no fogo, Obá no fogo e Ossâin na terra.

Nosso método ainda leva em consideração outras convergências, que não cabe citar nesse texto, mas que são também bastante importantes na definição.

E, por falar em definição, segundo o nosso método trintenário, 2017 será regido por (rufem os tambores) XAPANÃ auxiliado por IANSÃ e EWÁ! Confesso que essa não é uma combinação normal de se encontrar, ainda mais quando o ano é de FOGO, como este ano será, e no qual são mais comumente encontrados Xangô, Exu ou Ogum. Mas, ainda que não seja uma combinação comum de se encontrar nesse elemento, não deixa de ser uma combinação QUENTE (Xapanã também é conhecido como “Babá Igbonã”, o “Pai da Quentura”)!

Xapanã vem trazendo a limpeza, a transformação de coisas ruins, podres, malcheirosas, em outras purificadas e limpas (mesmo que para isso tenha sido necessário o sofrimento como forma de expurgo). Essa tendência poderá ser observada na política, nos sistemas sociais, nos relacionamentos interpessoais e mesmo no campo da medicina, com reformulações dos sistemas estabelecidos, visando a geração de algo melhor, capaz de diminuir as chagas da sociedade. Xapanã também traz dificuldades no campo financeiro, sempre estimulando a economia, a humildade e a autocrítica. Essa questão da autocrítica, inclusive, deverá ser pensada durante todo o ano. Será necessária a autocrítica econômica (reduzir despesas), a autocrítica emocional (curar seus próprios sentimentos), a autocrítica orgânica (atentar para o cuidado com a própria saúde), etc.

No entanto, se Xapanã “engata o freio de mão” em muitas situações, o auxílio de Iansã faz com que a CORAGEM seja algo necessariamente a ser desenvolvido ante os problemas que aparecerem. Iansã traz o vento que, se por um lado espalha as doenças (regência de Xapanã), por outro também traz movimento e pode fazer com que atitudes bem tomadas resolvam situações que se arrastam há muito tempo, de uma hora para outra. Acompanhando Xapanã, Iansã também traz a influência dos Eguns e, por isso, assim como o Senhor das Palhas, alerta para o cuidado redobrado com a saúde, com acidentes e também com vícios que possam atrair obsessores espirituais.

Com tanta carga vibratória no ambiente, causada pelas transformações trazidas por Xapanã, pelos conflitos causados pelas “mortes” de sistemas estabelecidos e pela atuação dos Eguns deixando a atmosfera psíquica do planeta mais densa, o equilíbrio tinha que vir de algum lugar, e ele vem de Ewá! Ewá é a Orixá do encanto (em muito se assemelha à Oxum), da inspiração, das artes e também aquela que “engana a morte” e comanda os Eguns.

Ewá vem, portanto, trazendo a inspiração para solucionar os problemas mais difíceis, mas exige que haja a ligação com a espiritualidade e, ao mesmo tempo, o desenvolvimento da consciência, para que possa auxiliar. Ela facilita a intuição e é a responsável pelas ideias que, aparentemente, surgem “do nada”. Auxilia Xapanã a comandar os Eguns, mantendo-os sob controle, buscando o ponto de equilíbrio, mas recomenda a prudência e a pureza de pensamentos, ou seja, que se busque escutar a voz de seu “eu interior” para encontrar os melhores caminhos ou para “não ser encontrado” pelas dificuldades (diz a lenda que “Ewá enganou a morte”).

O trinômio Xapanã, Iansã e Ewá é uma combinação difícil, mas que, quando aparece, determina que coisas importantes estarão por acontecer, e de forma irremediável! Sistemas serão transformados e deixarão de existir como são hoje, dando lugar a novas ideias e organizações potencialmente mais agradáveis e coloridas (com as cores da aquarela de Ewá), mas não sem antes experimentarem a agonia e a morte.

Resumindo, a regência do ano 2017 prevê um ano com dificuldades, principalmente na primeira metade, mas que tem tudo para terminar melhor do que quando começou, pois as mesmas dificuldades do início ajudarão a despertar a criatividade e a superação.

Façamos nossa parte, desapeguemo-nos do que é velho e que não nos serve mais! Abramos espaço para o novo! Construamos novos caminhos (melhores)! Sejamos criativos! É isso que este ano nos exigirá!

Termino reforçando que não cabe à CENTELHA a avaliação sobre outras técnicas e opiniões acerca da regência do ano, mas sim o respeito, incontestavelmente! Sempre! Também não temos a intenção de discutir possíveis falhas ou encontrar "certos" e "errados". Nossa intenção é apenas sermos fiéis aos nossos próprios métodos sem nos apegarmos a conceitos adotados por outras correntes, ainda que majoritárias. E é por isso, e em respeito aos que conosco caminham, que mantemos sempre nossa personalidade e posição, com independência e fidelidade à nossa própria Doutrina, respeitando as diferenças e nos atendo aos nossos próprios princípios.

Que 2017 seja um ano de Paz e Realizações para todos!

Feliz Ano Novo!

Amplexos,

Tata Luis

#regente #2017 #orixá #reger #ano

6,753 visualizações

A CENTELHA DIVINA, por ser uma Missão Umbandista e por ter como referência a prática da caridade, do amor e do respeito ao próximo, seguindo as sagradas Leis de Umbanda, não exerce cobrança financeira de qualquer tipo, por qualquer atendimento ou trabalho realizado, bem com não realiza o sacrifício de qualquer animal, nem utiliza qualquer coisa de origem animal em seus rituais.