• Tata Luis

FESTA DAS IABÁS E DE OXALÁ NA PRAIA


“Vamos cantar em louvor

À nossa mãe Iemanjá

Pedindo Paz e Amor

Em nome do Pai Oxalá

As rosas brancas se vão

No meu barquinho pro mar

Oh, minha mãe querida

São nossas preces de amor!

Vai meu barquinho seguindo

Pelo mar até o além

Que Iemanjá nos conceda

Felicidades sem fim!”

Foi com uma grande festa na praia que a Casa do Caboclo Ubirajara encerrou suas atividades espirituais de 2016.

Embora estivesse programada, inicialmente, para ser realizada no dia 3 de dezembro, a festa em homenagem às Iabás (Oxum, Iansã e Iemanjá) só pôde acontecer mesmo no dia 17, junto com a festa de Oxalá, devido ao mau tempo do início do mês, com muitas chuvas e trovoadas. Devido a isso, as duas semanas que antecederam a realização dessa festa foram carregadas de forte ansiedade: “será que vai chover outra vez?”, “o que diz o CLIMATEMPO?”... Perguntas repetidas constantemente durante o período.

E quase choveu! Nas vésperas do dia 17, uma grande frente fria chegou à cidade, trazendo ventos, chuva e mais apreensão. No sábado 17, dia da festa, o dia amanheceu claro, com sol no céu, renovando as boas expectativas. No entanto, com o passar das horas, as nuvens vieram e o tempo passou a alternar, entre chuva e céu nublado. E agora, como seria? Teríamos condições de realizar um evento desse porte, na praia, debaixo de chuva? Ou teríamos que postergar outra vez o evento? E para quando? Melhor consultar nossos Guias...

Baixa a Cabocla Janaína e nos diz: transferimos o trabalho do dia 3 para o dia 17 por causa das trovoadas e relâmpagos, que poderiam ser perigosos para a realização de um trabalho na praia. Hoje não teremos esse perigo! Iremos assim mesmo!

Muito bem! Arruma as coisas aqui, prepara as firmezas, banho de descarrego em todo mundo, coloca tudo nos dois ônibus e vamos pra praia!

Chuva no caminho... “Ai, ai, ai... vai dar certo?” Deu!

Quando chegamos na praia, o que restava de chuva acabou. Ainda pegamos o restinho de sol aparecendo no horizonte, abençoando o trabalho que iríamos realizar. E que trabalho!!!

O céu, antes chuvoso e nublado, agora se abria bem acima de nossas cabeças! Parece que as nuvens se afastavam a partir do local onde estávamos reunidos, e logo a lua apareceu, linda e cheia, rodeada de estrelas que deixavam a noite ainda mais bonita!

Das 20h00 às 05h00, os tambores tocaram, as emoções afloraram e o canto ecoou!!! Com a magia no ar e os pés na areia, homenageamos nosso Pai Oxalá e as queridas Iabás, nossas Mães Oxum, Iansã e Iemanjá, agradecendo pelo ano que passou, e pedindo bênçãos para o ano que vem.

Além dos falangeiros dos Orixás homenageados, recebemos ainda as visitas dos falangeiros de Ogum, de Xapanã e de Ewá; e também dos nossos Caboclos, Exus e Pombagiras, Povo Cigano, Marinheiros e Baianos. Terminamos a grande festa com a presença das nossas Crianças espirituais, brincando alegremente nas ondas do mar.

Antes do regresso, contudo, ainda faltava uma coisa: a confraternização entre os membros da CCU! Uma ceia foi montada, com direito a muitas frutas e panetones, colocados sobre uma grande toalha na areia. E ali mesmo, com todos abraçados e cantando “Adeus Ano Velho...”, demos por encerradas as atividades espirituais de 2016.

Deixamos na praia nossa homenagem aos Orixás e nosso sentimento de amor e gratidão. E, na memória, por muito tempo ainda ficará a imagem do nosso barquinho enfeitado de rosas, rompendo as ondas até o além... E, como diz a cantiga: “Que Iemanjá nos conceda felicidades sem fim!”

#praia #fimdeano #barquinho #Iemanjá

193 visualizações

A CENTELHA DIVINA, por ser uma Missão Umbandista e por ter como referência a prática da caridade, do amor e do respeito ao próximo, seguindo as sagradas Leis de Umbanda, não exerce cobrança financeira de qualquer tipo, por qualquer atendimento ou trabalho realizado, bem com não realiza o sacrifício de qualquer animal, nem utiliza qualquer coisa de origem animal em seus rituais.