• Tata Luis

A RÁDIO-TAMANCO ESPIRITUAL


Sabe quando você escuta alguma coisa que, ao invés de te ajudar acaba te dando a maior dor de cabeça? Pois é! É isso que chamamos de “rádio-tamanco”. Você pensa que aquilo que está vindo em direção aos seus ouvidos são informações construtivas, e só percebe que não eram quando o tamanco já pegou no pé da orelha, deixando aquele hematoma... E o mais interessante é que, normalmente, o culpado pela tamancada é justamente quem a levou, quem foi em busca de informações em qualquer lugar, que abriu seus ouvidos para orientações espúrias, que não filtrou o que escutou e que, depois de seguir os tais conselhos ou acreditar no que foi falado, é que percebe a besteira que fez e o problema que causou para si.

Em meios espiritualistas tem muito disso! Há muita gente que sempre tem uma simpatiazinha para ensinar, um trabalhinho para receitar e uma duvidazinha para colocar na cabeça dos outros (sem o menor constrangimento) sobre os seus caminhos espirituais. E o pior: sempre tem aquele que QUER escutar! E em tempos informatizados, o perigo ainda aumenta: não faltam listas de discussão na internet infestadas de “experts” em todos os assuntos, em todas as religiões, em todas as linhas de trabalho, nações, correntes, feitiços, ebós, simpatias, etc. Também não faltam grupos de whatsapp com as mesmas intenções e “Pais Googles” por aí, onde se acha de tudo um pouco, inclusive coisas erradas, absurdas ou incompletas e que, uma vez absorvidas por um médium descuidado, inexperiente ou ansioso por resultados rápidos, poderão trazer grandes problemas energéticos e incertezas sobre sua espiritualidade. E olha a tamancada aí, pegando bem no pé do ouvido!

Para minimizar o risco do hematoma, vamos tentar elencar alguns casos típicos que podem trazer grande dor de cabeça para um médium novo de Umbanda, que ainda não sabe reconhecer uma boa tamancada. Preste atenção!

São informações de Rádio-Tamanco as pesquisas que o médium faz na internet sobre quem poderá ser seu Orixá regente ou seu Guia espiritual. Não se define Orixá e Guia através de testes de facebook e nem através de regrinhas com data de nascimento expostas em sites de curiosidades. Se o médium faz esses testes somente a título de brincadeira, não há problema algum. Há perigo, contudo, se o médium acreditar nessas informações e começar a cultuar esta ou aquela entidade como se fosse seu Guia, sem sê-lo.

São informações de Rádio-Tamanco as pesquisas que o médium faz na internet sobre a forma do seu Guia trabalhar, sua história, o que bebe, como se comporta, etc. As informações ali encontradas, provavelmente, ou não são verdadeiras ou não se aplicam ao Guia específico daquele médium e, portanto, não podem ser consideradas como referência. Mas ele, o médium, acaba ficando impressionado com o que leu e passa a interferir animicamente na comunicação do seu Guia, forçando-o a agir daquela forma e atrapalhando o seu trabalho e firmeza espiritual.

São informações de Rádio-Tamanco os banhos, simpatias e pequenos trabalhinhos sugeridos por outra pessoa que não seja o pai ou mãe de terreiro responsável por aquele médium. Sim! Banhos e simpatias – até as aparentemente mais inofensivas – podem ter grandes efeitos, e bastante negativos! Entram nesse item aquele presente que alguém mandou dar para Maria Padilha, para abrir caminhos; a guimba de cigarro que a Cigana da vizinha mandou manter na carteira; o banho receitado por um conhecido para atrair prosperidade; a simpatia escutada no programa de rádio para agradar ao Orixá “Fulano”; o trabalho espiritual lido naquele site sobre feitiços; a amarração ensinada pela Pombagira da amiga, etc.

Somente o pai ou mãe de terreiro sabe as condições energéticas do seu médium, o que já foi feito por ele, do que ele precisa e quais as suas interdições. As receitas vindas de outras pessoas são SEM compromisso. Se o que o pai ou mãe de terreiro receitar vier a causar algum desequilíbrio, será ele mesmo (o pai ou mãe) quem irá consertar, afinal, ele tem a responsabilidade sobre o seu filho. Mas, e se o que causar problemas for o que foi receitado por outra pessoa; ela resolverá?

São informações de Rádio-Tamanco as opiniões vindas de qualquer pessoa que, sem ter realizado um jogo ou qualquer procedimento sério, conteste o Orixá que foi atribuído pelo pai ou mãe de terreiro como dono da coroa do médium. E ainda há quem fale assim: “Você, filho desse Orixá? Mas não é mesmo!”, como se fosse o dono da razão e desconsiderando todo o trabalho e a competência do pai ou mãe de terreiro daquele médium, sem estar baseado em nada mais que seu “achismo”. Já vi gente aceitar conselhos desse tipo, se afastar até do seu terreiro original, procurar outro lugar para forçar a ligação com o Orixá sugerido pela pessoa e se dar MUITO mal!

São informações de Rádio-Tamanco as opiniões de pessoas de outro terreiro ou mesmo de outra religião sobre os rituais e fundamentos do terreiro a que o médium pertence. Essas opiniões partem de pessoas que pensam que, pela sua vivência e pelo que aprenderam, têm capacidade para julgar e definir se é certo ou errado o que acontece em qualquer outra casa, sem levar em consideração, não apenas a capacidade e o conhecimento de seu dirigente, mas também que cada casa tem sua raiz, seus fundamentos, sua linhagem espiritual e doutrina própria, e que, o que é considerado certo em uma, pode não ser na outra. Pessoas assim costumam argumentar com tanta convicção que, facilmente, convencem médiuns novatos de que “esse pai de santo tá inventando coisa!” ou “isso não existe!”.

São informações de Rádio-Tamanco as convocações – às vezes até com ameaças - enviadas pelo Guia “fulano de tal”, do amigo de um amigo, ou de um parente, ou de uma ex-namorada, solicitando ao médium que vá até ele porque o tal Guia quer lhe falar. Guia nenhum fica chamando pessoas para conversar, ainda mais se essa pessoa já for de outro terreiro. Além de estar violando o seu livre-arbítrio, ainda está faltando com ética. Mas, com medo, o médium acaba indo e, pior, colocando em prática uma série de conselhos espirituais que escutou por lá. Havendo problemas, deveria retornar naquele “Guia” para resolver, ao invés de se lembrar, somente nesse momento, que tem um pai ou mãe de terreiro que cuida de si e que deveria ter sido consultado desde o princípio!

São informações de Rádio-Tamanco quaisquer orientações, espirituais ou não, dadas por “Guias” incorporados em ambientes inadequados, como por exemplo, no pagode, no churrasco ou depois que seu “cavalo” já bebeu além da conta. Nesses casos, é certo que ali não há Guia nenhum. No máximo haverá a incorporação de um Quiumba, pela sintonia vibratória provocada pelo álcool e pela atmosfera do ambiente. Contudo, o médium novato, ao ser chamado por tal “entidade” para conversar, pode ficar com receio de recusar, e acabar dando ouvidos ao animismo do colega ou ao Quiumba ali presente. Pode recusar! Não tenha medo!

São informações de Rádio-Tamanco os sonhos contados por outras pessoas, que não são nem do terreiro a que o médium pertence e, já transmitidos com a devida interpretação, normalmente sugerem que o médium tem problemas espirituais sérios e que necessitaria ir a outro lugar para verificar. O médium novato pode não saber, mas, se os seus Orixás necessitarem enviar uma orientação através de sonhos, a enviarão através dos sonhos do próprio médium, os quais deverão ser contados ao seu dirigente para a devida interpretação. Se não for possível fazer com que seu próprio filho sonhe, os Orixás tentarão se comunicar com o seu pai ou mãe de terreiro e, não conseguindo, será através de um de seus irmãos espirituais mais próximos. Sonhos vindos de outras pessoas nem sempre tem caráter espiritual, podendo ser manifestação de seu subconsciente, externando apenas uma opinião pessoal.

Algumas informações de Rádio-Tamanco acontecem, infelizmente, dentro do próprio terreiro que o médium frequenta e, muitas vezes, são dadas por irmãos espirituais até com boas intenções, mas sem a devida capacidade para tal. Acontece, por exemplo, quando o médium novato conta o sonho que teve para seu irmão de terreiro, ao invés de contar para seu pai ou mãe; e aí recebe uma interpretação completamente errada, mas que ele, o médium que sonhou, acaba acreditando, ficando preocupado e cismando com o tal do problema que o irmão identificou e que, às vezes, nem existe. E aqui cabe uma reflexão: Se, havendo algum problema, será o pai ou mãe de terreiro que terá que solucionar – e não o irmão de santo -, por que, então, já não contar diretamente para ele, ao invés de criar caraminholas na cabeça por ter ouvido opiniões erradas de outras pessoas?

Um outro caso semelhante é o irmão de terreiro que, muito prestativo, sem a supervisão do pai ou mãe de terreiro, passa a aconselhar os outros médiuns sobre a forma como seus Guias se vestem, o que bebem, como trabalham, o que desejam que seu médium providencie, etc. Já vi várias pessoas se dando muito mal por comprarem coisas inadequadas para seus Guias ou por fazerem algo porque um irmão prestativo orientou (erradamente). O médium tem que lembrar que o responsável pelo seu desenvolvimento mediúnico é o seu pai ou mãe de terreiro, não o irmão de santo, por mais prestativo e amigo que seja. Se o pai ou mãe errar, torno a dizer, é ele quem terá que corrigir. Já se o irmão prestativo errar na recomendação, a responsabilidade de tê-lo atendido é do próprio médium! Lembre-se: se seu irmão de santo estivesse completamente apto a orientar sobre seu desenvolvimento mediúnico, ele seria pai, e não irmão!

Aliás, essa é a regra: o bom-senso deve ser utilizado sempre, para evitar qualquer tamancada no “quengo”! Tenha em mente sempre quem é o responsável por você! Se você, médium, pertence a um terreiro, então você tem uma pessoa que é a responsável por todo o seu desenvolvimento mediúnico e por resolver qualquer problema energético que você tiver. Essa pessoa é o seu pai ou mãe de terreiro! É ele quem deve ser procurado em caso de dúvidas espirituais, desconforto energético, necessidade de orientação, interpretação de sonhos, etc. Será ele também que deverá ser procurado, caso qualquer coisa que ele mesmo tenha recomendado venha a causar algum tipo de problema. Em outras palavras, ele é o completo responsável por tudo o que diga respeito à sua vida espiritual e, por isso, suas orientações devem ser seguidas à risca, tendo ele, também, o direito de chamar-lhe atenção sempre que achar necessário, já que é a ELE que você recorrerá em caso de necessidade e é DELE que você cobrará as soluções energéticas!

Contudo se, ao contrário, você decidir seguir orientações de qualquer outra fonte e, com isso, acabar gerando problemas espirituais desnecessários para si, o bom-senso diz que VOCÊ MESMO deveria procurar resolvê-los, já que, no momento em que procurou e aceitou essas orientações, não consultou seu pai ou mãe de terreiro para saber se poderia ou não; e é possível até que tenha feito sem que ele soubesse, ocultamente, para não ser repreendido. Mas, será que você conseguirá fazer com que o radialista que recomendou aquele trabalhinho assuma o erro e o conserte, gratuitamente, para você? Será que aquelas pessoas que lhe sugeriram a simpatia e os banhos para prosperidade (que só pioraram sua situação) irão desfazer o que você fez, somente pelos seus belos olhos azuis? Quem irá desenquizilar a sua Pombagira, que não gostou nem um pouco do presente dado à Maria Padilha? Que tal procurar aquele que contestou o seu Orixá e jogar-se ao colo dele, suplicando que agora acerte o seu Ori e resolva a quizila que criou em sua cabeça? Será que rola?

Quando você procurar alguém - que não seja seu pai ou mãe de terreiro - para lhe aconselhar ou para lhe orientar sobre seus caminhos espirituais, faça o trabalho completo! Procure se certificar de que essa mesma pessoa estará lá, disponível, para consertar qualquer problema que tenha sido gerado pelo que ela recomendou! Aliás, se você pensa em procurar alguém “de fora” para pedir orientações, já é sinal de que algo não vai bem! Ou está faltando confiança em seu pai, ou está sobrando irresponsabilidade em você! Vale, nesse caso, fazer uma boa reflexão e verificar se você está realmente num caminho que lhe agrade. Havendo dúvidas, procure conversar com seu dirigente... Às vezes, há grandes mal-entendidos por pura falta de comunicação... Evite também, dar ouvidos a qualquer opinião! Se você ainda não consegue lidar com determinadas coisas que escuta, por exemplo, então afaste-se dos meios onde sua fé possa ser criticada, onde a competência da casa que você gosta possa ser questionada, onde as informações trocadas possam mais confundir que elucidar...

Ah! E lembra daquilo que eu falei que, pelo bom-senso, você mesmo deveria resolver? Pois é! Mesmo isso, leve até o seu pai ou mãe de terreiro! Mesmo sabendo que esse problema foi gerado pela SUA irresponsabilidade, tenho certeza de que ele o auxiliará a resolver. Afinal, você é seu filho, ele entende sua ignorância e está ali para ajudar. Só não abuse, repetindo inconsequentemente os mesmos erros, fazendo o que não deve repetidamente, dando ouvidos a conselhos destrutivos sem colocar qualquer filtro. Pode ser que, para lhe ajudar a aprender, um dia, seu pai ou mãe de terreiro decida lhe deixar com o hematoma da tamancada por mais tempo, para que, com a orelha latejando, você não queira mais dar tanta atenção a qualquer coisa que lhe chegue aos ouvidos, e aprenda, assim, pela dor, a procurar outras rádios mais sadias para se sintonizar!

Amplexos,

Tata Luis

#trabalhoespiritual #banhosdedescarrego #simpatia

298 visualizações

A CENTELHA DIVINA, por ser uma Missão Umbandista e por ter como referência a prática da caridade, do amor e do respeito ao próximo, seguindo as sagradas Leis de Umbanda, não exerce cobrança financeira de qualquer tipo, por qualquer atendimento ou trabalho realizado, bem com não realiza o sacrifício de qualquer animal, nem utiliza qualquer coisa de origem animal em seus rituais.