• Tata Luis

E O ANO CONTINUA...


Alertamos no fim do ano passado que, ao contrário do que se divulgava, a regência do ano não seria protagonizada pelos doces Oxum e Oxóssi, mas pelo austero Xapanã, auxiliado por Iansã e Ewá. Naquele texto (que você pode ler clicando aqui), dávamos detalhes das características dessa regência, e falávamos que ela acarretaria um ano de extremas dificuldades sociais, principalmente em sua primeira metade, quando haveria a disseminação de doenças e a necessidade premente de economia de despesas. Há três meses atrás, no final do primeiro trimestre de 2017, publicamos um texto analisando a situação brasileira naquele momento sob a ótica espiritual. Você pode ler esse texto clicando aqui. Nele, nós demonstrávamos que, conforme tínhamos mencionado em dezembro de 2016, muitas situações políticas, sociais e na área da saúde já seriam esperadas, dada a regência espiritual do ano.

Hoje, voltamos a escrever para falar de outra face da regência. Como dissemos, 2017 seria regido não apenas por esses Orixás, mas também pelo elemento FOGO, o que causaria guerras, agressões, conflitos, atentados e crises, além da possibilidade de incêndios de grandes proporções.

Somente nesse primeiro semestre, a quantidade de atentados já supera a ocorrida durante todo o ano de 2016 (fonte: Wikipedia), o que é comum em anos regidos por esse elemento (a guerra das Malvinas e os atentados de 11 de setembro aconteceram também em ano de fogo). Além disso, muitas relações internacionais encontram-se estremecidas, com a política implantada pelo presidente americano Donald Trump voltando atrás em medidas que conteriam o aquecimento global (olha o fogo aí de novo) e suscitando a previsão de que mais e mais atritos políticos ainda ocorrerão até o fim desse ano.

Em junho, especialmente, parece que a atuação do elemento fogo esteve mais evidente. Em meados do mês, não bastassem os atentados terroristas recorrentes, Londres foi surpreendida com um incêndio de grandes proporções, o maior das últimas décadas; o mesmo acontecendo logo em seguida em terras portuguesas, onde um incêndio sem precedentes devastou uma enorme área florestal, transformando-se em uma das maiores tragédias da história recente de Portugal, e fazendo lembrar aos brasileiros outra grande tragédia acontecida em nosso país com o incêndio da boate Kiss, em janeiro de 2013, há quatro anos atrás, quando, também, regia o ano o elemento fogo.

Enfim, chegando ao meio do ano, está na hora de criarmos expectativas positivas para o restante de 2017. Conforme havíamos dito, o primeiro semestre seria regido por Xapanã com Iansã, trazendo grandes dificuldades e destruições de sistemas estagnados (vale a pena ler o texto publicado no fim do primeiro trimestre clicando aqui). No entanto, a partir do segundo semestre, Xapanã passará a ser auxiliado por Ewá que, apesar de não facilitar mudanças profundas, promove a inspiração e a criatividade, sugerindo que, nos próximos seis meses, poderão surgir soluções para problemas antigos, de onde menos se espera. Aguardamos, portanto, um segundo semestre menos pesado que o que passou.

Como dizíamos há três meses, melhor seria se, realmente, a regência de 2017 tivesse sido compartilhada por Oxum e Oxóssi. Certamente teríamos tido meses de maior prosperidade e fartura, menos dificuldades econômicas e sociais e maior fraternidade, estimulada principalmente pela Orixá do Amor. No entanto, nem mesmo para 2018 poderemos esperar a presença de Oxum na regência. O próximo ano será regido pelo elemento Terra, e é provável que protagonizem essa regência Orixás como Nanã, Xangô e Exu.

Mas aguardemos os próximos seis meses restantes. Xapanã destrói para que haja a reconstrução, de forma que muitos dos problemas e desconstruções de sistemas hoje observados poderão ser indícios de renovação e crescimento. É esperar e ver, pedindo auxílio de Pai Xapanã e acreditando que mamãe Ewá possa nos trazer a inspiração de que precisamos para finalizar tudo o que de mais difícil ainda restar.

Feliz segundo semestre para você!

E não se esqueça de ler os textos que citei como referência. Eles esclarecerão ainda mais!

Clique nos títulos dos textos aqui embaixo:

"E NÃO É QUE ERA MESMO?"

"O ORIXÁ REGENTE DE 2017"

#Orixás #regentedoano #regente #Ewá #Omolu

419 visualizações

A CENTELHA DIVINA, por ser uma Missão Umbandista e por ter como referência a prática da caridade, do amor e do respeito ao próximo, seguindo as sagradas Leis de Umbanda, não exerce cobrança financeira de qualquer tipo, por qualquer atendimento ou trabalho realizado, bem com não realiza o sacrifício de qualquer animal, nem utiliza qualquer coisa de origem animal em seus rituais.